Zhiwan Cheung

Zhiwan Cheung (b. Long Beach, CA) recebeu o seu BFA da Universidade de Cornell e o seu MFA da Universidade de Carnegie Mellon. Zhiwan teve pela primeira vez o gosto de actuar em frente a uma câmara como crítico literário para Reading Rainbow, o programa de televisão dos anos 90 que defendia a leitura para crianças.

Desde então, Zhiwan tem continuado a investigar  a intersecção entre a identidade nacional e a psique pessoal, concentrando-se nas suas intersecções e divergências. Como uma odisseia rumo a um lar que não existe, um rito de passagem sem destino, Zhiwan usa o seu trabalho para procurar uma compreensão crítica de um regresso a casa impossível. Zhiwan também organiza um podcast, Seeing Color. Este podcast (seecolorpod.com) conversa com trabalhadores culturais e artistas de côr a fim de aprofundar a temática  da predominância do branco nas artes.

Zhiwan expôs trabalhos tanto a nível nacional como internacional em locais como a NURTUREart Gallery em Nova Iorque, Pica Pica Gallery em Berlim, e The Andy Warhol Museum em Pittsburgh. Mais recentemente, Zhiwan recebeu uma bolsa Fulbright para investigar o grupo de arte Fluxus em Berlim, Alemanha.

Actualmente, Zhiwan é Professor de Artes dos Média no Colégio Internacional Unido em Zhuhai, China.

Suze Chan

Nascida em 1994 em Hong Kong. Formado em 2016 pela Communication Design, School of Design, PolyU Hong Kong.

Uma vez que não parece ser chamado de artista, agora está tudo bem.

Realizou diferentes trabalhos, por exemplo garçonete, assistente de galeria, designer gráfico, courier, VJ, balconista, caixa, etc.

Lu Yang 陸揚

Lu Yang (b. Xangai, China) é um artista multimédia baseada em Xangai.

Mortalidade, androginia, histeria, existencialismo e neurologia espiritual alimentam as fantasias chocantes e às vezes mórbidas de Lu.

Inspirando-se na Anime, nos jogos e na subcultura de ficção-científica, Lu explora suas fantasias através dos meios media, incluindo animação 3D, instalação imersiva de videojogos, holográfico, performances ao vivo, realidade virtual e programação de computacional.

Ao longo da sua carreira, Lu tem colaborado com cientistas, psicólogos, performers, designers, compositores experimentais, produtores de música pop, laboratórios de robótica, e celebridades.

 

Chen Pin Tao 陳品陶

A obra de Chen Pin Tao centra-se na criação das realidades transcendentais, extáticas e transgressoras, através de uma alquimia fetichista e mágica.

A invenção de dispositivos mundanos é um meio de manipular objetos da vida real e a própria realidade, permitindo extrair a qualidade de objetos ao mesmo tempo exauridos e elevados para além da representação.

A linguagem ontológica e a lógica ecológica internas dessas realidades evitam a fenomenologia convencional, produzem uma derrapagem semiótica, e residem no potencial esvaziado, virtualidade e realidade do espaço, objeto, imagem e sua síntese simultânea e não planeada para gerar labirintos no espaço-tempo e dentro de contentores, volumes e corpos sem órgãos.

As dimensões espacial, volumétrica, objetiva e imaginária não são meramente vasos que encapsulam qualidades transcendentais e entrópicas, mas seres ontológicos suficientemente complexos para se libertarem da sua própria organização, determinare e gerarem uma multiplicidade de mundos, e manifestar vivacidade e energia, as quais contém um potencial infinito de transformação, no interior do caos profundamente ordenado, e de renascimento numa vasta escala espectral.

Leonel Moura

Leonel Moura (Portugal) é um artista conceptual que promove um novo tipo de arte baseada na criatividade das máquinas. O seu trabalho evoluiu, no final dos anos 90, da fotografia para a Arte Robótica e para a Inteligência Artificial .

Produziu diversos robôs-pintores, bem como o Robotarium – um zoo para robôs. Em 2006, cria o RAP (Robotic Action Painter) – em exposição permanente no Museu Americano de História Natural de Nova Iorque – um robot que desenha com base na emergência e na estigmergia, decidindo quando a obra está acabada e assinando-a. Outros dos seus trabalhos incluem instalações interativas, swarm paintings, esculturas e até uma adaptação da peça R.U.R. (Rossum’s Universal Robots) de Karel Capek, onde três robots atuam lado-a-lado com três atores humanos. É ainda o autor de diversos livros dedicados às artes e ciências.

Em 2009, Leonel Moura foi indicado para Embaixador Europeu da Criatividade e Inovação.

Desde o Verão de 2019, tem uma instalação de 17 esculturas de Realidade Aumentada semelhantes a vírus em vários locais da cidade de Lisboa. 

NEO o enxame de robôs, recentemente criado,  irá actuar pela primeira vez na UCCA, Pequim, em 2020.

A obra de Leonel Moura pode ser considerada dentro de uma linha de máquinas de desenho que inclui a Metamatics de Jean Tinguely da década de 1950, o programa de computador Aaron de Harold Cohen, iniciado em 1973 e Derivation of the Laws, de 1990, de Roman Verostko. O que a distingue é que consiste em robôs autónomos que coletivamente respondem uns aos outros e ao seu meio ambiente para gerar complexidade emergente, um princípio fundamental da pesquisa científica em vida artificial e biologia sintética.”

Edward A. Shanken in Flash Art, 316, Setembro/Outubro 2017

 

@ The New Art Fest 2020

Max Haarich

Max Haarich (DE, * 1983) é consultor freelancer de ética em Inteligência Artificial (IA), com sede em Munique, e embaixador da República república artística da Lituânia Užupis.

Estudou ciência da comunicação em Aachen (DE) e teoria política em Nova York (EUA), e trabalhou como assistente de pesquisa em capacidade inovadora e IA geral.

Durante esse tempo, como gerente do principal centro de inovação e start-up da Europa, UnternehmerTUM, fundou a Embaixada de Munique da República artística da Lituânia Užupis. A embaixada constrói pontes entre arte e tecnologia e empenha-se na elaboração de políticas para a IA ética.

@ The New Art Fest 2020

Links

Robert B. Lisek

Robert B. Lisek é  artista, matemático e compositor que se concentra em sistemas, redes e processos (computacionais, biológicos, sociais). Está envolvido numa série de projectos media arte, narração criativa em storytailing  e arte interactiva.

Recorrendo à arte pós-conceptual, ao software-arte e meta-media, o seu trabalho desafia intencionalmente a categorização. Lisek é um pioneiro da arte baseada na Inteligência Artificial e na Aprendizagem Mecânica.

Lisek é também compositor de música contemporânea, autor de muitos projectos e partituras sobre a intersecção de música espectral, estocástica, de betão, futurista de música e ruído.

Como cientista, Lisek realiza investigação nas áreas das matemática e das ciências da computação. Os seus interesses de investigação centram-se na teoria de categorização e na álgebra-de-alta-ordem em função da inteligência artificial.

Lisek é um dos fundador do Laboratório de Investigação Fundamental e do Simpósio de Arte ACCESS.

É autor de 300 exposições e apresentações, entre outras: SIBYL – ZKM Karlsruhe; SIBYL II -IRCAM Center Pompidou; QUANTUM ENIGMA – Harvestworks Center New York e STEIM Amsterdam; TERROR ENGINES – WORM Center Rotterdam, Secure Insecurity – ISEA Istambul; DEMONS – Bienal de Veneza (eventos de acompanhamento); Manifesto vs. Manifesto – Ujazdowski Castel of Contemporary Art, Varsóvia; NEST – ARCO Art Fair, Madrid; Float – Lower Manhattan Cultural Council, NYC; WWAI – Siggraph, Los Angeles.

@ The New Art Fest 2020

Links

Francisco Pinto

Francisco Pinto (1991), vive e trabalha em Lisboa, onde se formou em Pintura pela Faculdade de Belas Artes (2015). É mestre em arte multimédia pela mesma instituição (2019).

Julho 2017 – Int. Arte Contemporânea – Slade School of Fine Art – Londres.

Abril de 2016 – Esculturas Generativas: Modelagem e Manufatura 3D – André Sier – FBAUL.

Novembro de 2015 – Workshop Breaduino – Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Francisco realizou várias exposições individuais e colectivas com destaque para: Explorações 2016-18, FBAUL cisterna [Lisboa 2018]; WIP (Work In Process), Mute, [Lisboa 2018]; Vestígios, Galeria Bangbang, [Lisboa 2018]; Ensaios sobre a (in) exibilidade do natural – parte II, Ministério do Meio Ambiente [Lisboa 2018]; Contra / TEMPO, Fábrica Braço de Prata, [Lisboa2017]; AAA 8th Edition, convidada pelo atelier Vieira Ribeiro [Lisboa, 2017]; Exposição de Graduação, Sociedade Nacional de Belas Artes, [Lisboa, 2015]; Artis 2015, Galeria de Arte do Casino Estoril [2015]; XXVII Salvador de Primavera / Prémio Rainha Isabel de Bragança, Galeria de Arte do Casino do Estoril [2014]; Vinte e Dois (22).

João Frazão

João Frazão é licenciado em Informática pelo IST, UTL lisboa.

Gosta de escrever poemas computacionais e de construir artefactos inúteis e improváveis. A série actual é chamada NeuroNautilus.

Alguns dos artefactos foram apresentados em Expandir https://www.cienciaviva.pt/projectos/expand.asp e outros em Inercia Demo Party

Desde 2013, João Frazão é Investigador Colaborativo na Fundação Champalimaud Investigação em Neurociências. É também co-desenvolvedor do Bonsai como uma linguagem visual de prototipagem rápida geral. Ele também faz parte do laboratório de movimento colectivo.

Ganhou vários prémios, tanto sozinho, como em colaborações:

  • Prémio no Inercia Demo Party 2019, 2010
  • Prémio Augie, melhor demonstração (YDreams) https://www.youtube.com/watch?v=qXcIZ1R68SQ
  • Prémio Nacional Português Multimedia 2010, na Arte e Categoria Cultura com “.txt” https://vimeo.com/7441635;
  • Prémio Nacional Multimédia Português 2009, na categoria Entretenimento com “LivelyDreams”

Trabalhou na Ydreams Company onde co-desenvolveu a plataforma YVision, uma estrutura de composição de software proprietário de uso geral premiada e utilizada em interactividade, exposições, realidade virtual, realidade aumentada, peças de dança, e robôs móveis. Antes de Ydreams trabalhou na IdMind; uma empresa de robótica de alta tecnologia, liderou o desenvolvimento de vários projectos inovadores, artísticos e comerciais utilizando robôs. Antes de se juntar à IdMind trabalhou 4 anos como investigador em robótica (sistemas de agentes distribuídos para equipas de robôs para jogar futebol e operações de salvamento) no Instituto de Sistemas e Robótica no Instituto Superior Técnico.

 

@ The New Art Fest 2020

Links

Sandra Araújo

Sandra araújo is a < non-binary && genderqueer > digital artist that spent endless hours fighting monsters & strolling through mazes. so, it only felt natural for <them > 2 evolve through an experimental & explorative process of gaming visual culture & popular gif files. also feeds on social media platforms 2 engage <her > animations into the depths of gender role play & political plots. < they > still plays old school video games.