Leonel Moura

Leonel Moura (Portugal) é um artista conceptual que promove um novo tipo de arte baseada na criatividade das máquinas. O seu trabalho evoluiu, no final dos anos 90, da fotografia para a Arte Robótica e para a Inteligência Artificial .

Produziu diversos robôs-pintores, bem como o Robotarium – um zoo para robôs. Em 2006, cria o RAP (Robotic Action Painter) – em exposição permanente no Museu Americano de História Natural de Nova Iorque – um robot que desenha com base na emergência e na estigmergia, decidindo quando a obra está acabada e assinando-a. Outros dos seus trabalhos incluem instalações interativas, swarm paintings, esculturas e até uma adaptação da peça R.U.R. (Rossum’s Universal Robots) de Karel Capek, onde três robots atuam lado-a-lado com três atores humanos. É ainda o autor de diversos livros dedicados às artes e ciências.

Em 2009, Leonel Moura foi indicado para Embaixador Europeu da Criatividade e Inovação.

Desde o Verão de 2019, tem uma instalação de 17 esculturas de Realidade Aumentada semelhantes a vírus em vários locais da cidade de Lisboa. 

NEO o enxame de robôs, recentemente criado,  irá actuar pela primeira vez na UCCA, Pequim, em 2020.

A obra de Leonel Moura pode ser considerada dentro de uma linha de máquinas de desenho que inclui a Metamatics de Jean Tinguely da década de 1950, o programa de computador Aaron de Harold Cohen, iniciado em 1973 e Derivation of the Laws, de 1990, de Roman Verostko. O que a distingue é que consiste em robôs autónomos que coletivamente respondem uns aos outros e ao seu meio ambiente para gerar complexidade emergente, um princípio fundamental da pesquisa científica em vida artificial e biologia sintética.”

Edward A. Shanken in Flash Art, 316, Setembro/Outubro 2017

 

@ The New Art Fest 2020

Max Haarich

Max Haarich (DE, * 1983) é consultor freelancer de ética em Inteligência Artificial (IA), com sede em Munique, e embaixador da República república artística da Lituânia Užupis.

Estudou ciência da comunicação em Aachen (DE) e teoria política em Nova York (EUA), e trabalhou como assistente de pesquisa em capacidade inovadora e IA geral.

Durante esse tempo, como gerente do principal centro de inovação e start-up da Europa, UnternehmerTUM, fundou a Embaixada de Munique da República artística da Lituânia Užupis. A embaixada constrói pontes entre arte e tecnologia e empenha-se na elaboração de políticas para a IA ética.

@ The New Art Fest 2020

Links

Francisco Pinto

Francisco Pinto (1991), vive e trabalha em Lisboa, onde se formou em Pintura pela Faculdade de Belas Artes (2015). É mestre em arte multimédia pela mesma instituição (2019).

Julho 2017 – Int. Arte Contemporânea – Slade School of Fine Art – Londres.

Abril de 2016 – Esculturas Generativas: Modelagem e Manufatura 3D – André Sier – FBAUL.

Novembro de 2015 – Workshop Breaduino – Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Francisco realizou várias exposições individuais e colectivas com destaque para: Explorações 2016-18, FBAUL cisterna [Lisboa 2018]; WIP (Work In Process), Mute, [Lisboa 2018]; Vestígios, Galeria Bangbang, [Lisboa 2018]; Ensaios sobre a (in) exibilidade do natural – parte II, Ministério do Meio Ambiente [Lisboa 2018]; Contra / TEMPO, Fábrica Braço de Prata, [Lisboa2017]; AAA 8th Edition, convidada pelo atelier Vieira Ribeiro [Lisboa, 2017]; Exposição de Graduação, Sociedade Nacional de Belas Artes, [Lisboa, 2015]; Artis 2015, Galeria de Arte do Casino Estoril [2015]; XXVII Salvador de Primavera / Prémio Rainha Isabel de Bragança, Galeria de Arte do Casino do Estoril [2014]; Vinte e Dois (22).

João Frazão

João Frazão é licenciado em Informática pelo IST, UTL lisboa.

Gosta de escrever poemas computacionais e de construir artefactos inúteis e improváveis. A série actual é chamada NeuroNautilus.

Alguns dos artefactos foram apresentados em Expandir https://www.cienciaviva.pt/projectos/expand.asp e outros em Inercia Demo Party

Desde 2013, João Frazão é Investigador Colaborativo na Fundação Champalimaud Investigação em Neurociências. É também co-desenvolvedor do Bonsai como uma linguagem visual de prototipagem rápida geral. Ele também faz parte do laboratório de movimento colectivo.

Ganhou vários prémios, tanto sozinho, como em colaborações:

  • Prémio no Inercia Demo Party 2019, 2010
  • Prémio Augie, melhor demonstração (YDreams) https://www.youtube.com/watch?v=qXcIZ1R68SQ
  • Prémio Nacional Português Multimedia 2010, na Arte e Categoria Cultura com “.txt” https://vimeo.com/7441635;
  • Prémio Nacional Multimédia Português 2009, na categoria Entretenimento com “LivelyDreams”

Trabalhou na Ydreams Company onde co-desenvolveu a plataforma YVision, uma estrutura de composição de software proprietário de uso geral premiada e utilizada em interactividade, exposições, realidade virtual, realidade aumentada, peças de dança, e robôs móveis. Antes de Ydreams trabalhou na IdMind; uma empresa de robótica de alta tecnologia, liderou o desenvolvimento de vários projectos inovadores, artísticos e comerciais utilizando robôs. Antes de se juntar à IdMind trabalhou 4 anos como investigador em robótica (sistemas de agentes distribuídos para equipas de robôs para jogar futebol e operações de salvamento) no Instituto de Sistemas e Robótica no Instituto Superior Técnico.

 

@ The New Art Fest 2020

Links

Robert B. Lisek

Robert B. Lisek é  artista, matemático e compositor que se concentra em sistemas, redes e processos (computacionais, biológicos, sociais). Está envolvido numa série de projectos media arte, narração criativa em storytailing  e arte interactiva.

Recorrendo à arte pós-conceptual, ao software-arte e meta-media, o seu trabalho desafia intencionalmente a categorização. Lisek é um pioneiro da arte baseada na Inteligência Artificial e na Aprendizagem Mecânica.

Lisek é também compositor de música contemporânea, autor de muitos projectos e partituras sobre a intersecção de música espectral, estocástica, de betão, futurista de música e ruído.

Como cientista, Lisek realiza investigação nas áreas das matemática e das ciências da computação. Os seus interesses de investigação centram-se na teoria de categorização e na álgebra-de-alta-ordem em função da inteligência artificial.

Lisek é um dos fundador do Laboratório de Investigação Fundamental e do Simpósio de Arte ACCESS.

É autor de 300 exposições e apresentações, entre outras: SIBYL – ZKM Karlsruhe; SIBYL II -IRCAM Center Pompidou; QUANTUM ENIGMA – Harvestworks Center New York e STEIM Amsterdam; TERROR ENGINES – WORM Center Rotterdam, Secure Insecurity – ISEA Istambul; DEMONS – Bienal de Veneza (eventos de acompanhamento); Manifesto vs. Manifesto – Ujazdowski Castel of Contemporary Art, Varsóvia; NEST – ARCO Art Fair, Madrid; Float – Lower Manhattan Cultural Council, NYC; WWAI – Siggraph, Los Angeles.

@ The New Art Fest 2020

Links

Sandra Araújo

Sandra araújo is a < non-binary && genderqueer > digital artist that spent endless hours fighting monsters & strolling through mazes. so, it only felt natural for <them > 2 evolve through an experimental & explorative process of gaming visual culture & popular gif files. also feeds on social media platforms 2 engage <her > animations into the depths of gender role play & political plots. < they > still plays old school video games.

Domenico Barra – White Page Gallery

White Page Gallery/s é uma rede de arte partilhada e descentralizada, criada em Junho de 2019.

É uma rede online de partilha artística composta por artistas, curadores, academias, festivais e operadores culturais que hospedam no seu website, de forma independente e sem objectivo de lucro, projectos de arte feitos e curados por outros.

Muitas pessoas aderiram ao projecto ao longo dos meses: cada uma delas optou por disponibilizar um espaço, uma página web do seu site, para mostrar e partilhar os trabalhos de outros criativos, partilhando o seu tempo, trabalho, conhecimento e contactos profissionais.

Actualmente, há 20 anfitriões a participar no(s) projecto(s) White Page Gallery/s e todas as galerias podem ser visitadas gratuitamente por qualquer pessoa com uma ligação à Internet.

Estas galerias digitais, que diferem umas das outras no tipo de arte hospedada, nos tempos de exposição e no tipo de exposições, são geridas de forma independente pelos muitos que aderiram à iniciativa.

Actualmente existem 21 galerias de WPG/s que hospedaram, ao longo de um ano, trabalhos de 90 artistas.

@ The New Art Fest 2020

Links

Timo Kahlen

Escultor de som e artista de new media, escolheu trabalhar com elementos efêmeros: como o vento, o vapor, a luz e sombra, os pixels e a poeira, com o som, o ruído e a vibração.

Recebeu convites para apresentar seu trabalho e expôs em mais de 200 exposições de media art contemporânea desde os anos 80: incluindo a exposição individual inaugural em Kunst-Werke Berlin (1991), no MANIFESTA 7 (2008), no ZKM (2012) e no Ruine der Künste Berlin (2020).

@ The New Art Fest 2020

Tahn

Tahn é conhecida pelas suas tentativas de expandir as linhas bidimensionais e pinturas coloridas para uma terceira dimensão do espaço. Para Tahn, o espaço não é apenas um objeto de exploração estrutural, mas uma área em que significados públicos e privados se combinam para produzir um novo significado. Tahn tem o particular interesse sobre o processo pelo qual o espaço é convertido em artes mediáticas.

As suas obras são uma reinterpretação de dois elementos distintos: a paisagem ideológica coreana inspirada nos artistas do século XV ~ XVIII e as suas representações de montanhas e rochas envoltas em nuvens e poesia de famosos estudiosos. Os trabalhos de Tahn representam a “perspectiva do tempo”. A sua “perspectiva do tempo” representa as mudanças atuais de algum ponto no passado e uma mudança de estado.

A artista considera que a arte é uma coisa boa para expressar a vida sem ser restringida pelo tempo e pelo espaço, com base no pensamento humanista e nos conceitos filosóficos da época. Tudo vem, vai e desaparece. Ontem, hoje e amanhã, flexíveis e distorcidos novamente. Nem todos os organismos são fixos, mas estão vivos. Um fixo não pode ser corrigido.

@ The New Art Fest 2020

Links