Ariane

Ariane é um vídeo deepfake da Ariwasabi, a modelo mais famosa e desconhecida mundialmente do site de banco de imagens Shutterstock. Biliões de pessoas cruzam-se com a sua cara no dia-a-dia e ninguém se apercebe da sua existência.

Uma imagem fantasma. Num mundo em que a difusão de imagens é regida pelo seu próprio consumo, a realidade revela-se esquizofrénica.

A aprendizagem automática da máquina está a conduzir-nos para um futuro onde novas palavras poderão ser colocadas em discursos, imagens de perfis de redes sociais e de celebridades são transformadas em atrizes porno e vídeos são modificados para introduzir pessoas em lugares que nunca estiveram. Levando-nos a acreditar de que determinado evento ocorreu para influenciar decisões e alimentar novos tipos violências invisíveis e desconhecidas.

Há que tomar um colírio para que as nossas pupilas passem a conhecer uma

realidade que através do mínimo erro revela-se pré-desenhada.

Rodrigo Gomes

Rodrigo Gomes vive e trabalha em Lisboa.

Destacam-se as suas participações no Satellite Art Show em Brooklyn (EUA), na 18o Bienal de Media Arte WRO em Wroclaw (Polónia) e no festival CosmiX III Incantation em Paris (FR).

As exposições colectivas Depois do Estouro na Galeria Municipal do Porto (2019), Aspekt! Aspekt! no WRO Art Center (2019, Polónia), The New Art Fest  na Sociedade Nacional de Belas Artes (2018), FUSO (2018), Prémio Sonae Media Art no MNAC (2017) e as exposições individuais Entre as Pedras há Verde na Ocupart (Lisboa, 2019), Mamografias por Satélite (Lisboa, 2019) e Como Depositar Imagens no Banco na Appleton [Box] (Lisboa, 2019).

Em 2017 foi vencedor do Prémio Sonae Media Art e em 2018 dos Prémio Novos na categoria de Artes Visuais.

Em 2019 foi bolseiro à internacionalização pela Fundação Calouste Gulbenkian e recebeu uma distinção de mérito Jovem Revelação pelo Município de Silves.

@ The New Art Fest 2020