Skip to content

Analema Group

de 1975 a 1982
, Russia, Inglaterra, Portugal e Suíssa

O Grupo Analema é um colectivo de artes, fundado pela Directora Artística – Evgenia Emets em 2010. Os membros do colectivo incluem colaboradores de várias proveniências. Evgenia Emets é uma artista e poetisa, ela conduz a visão artística e cria trabalhos performativos sobre a intersecção de poesia, linguagem e som. Dr. Alain Renaud é especialista em instalações sonoras e design sonoro. Oliver Gingrich é um artista que trabalha no domínio da arte dos media e das tecnologias visuais. David Negrão trabalha em programação visual.

Criamos experiências sobre a intersecção entre arte e tecnologia. A nossa missão é reflectir sobre a natureza da percepção, explorando as relações entre som, cor, luz, movimento e forma. A nossa arte participativa preenche a lacuna entre artistas e audiências, permitindo-lhes questionar os seus sentidos e as fronteiras da percepção.

 

Oliver Gingrich, nascido em Viena, a viver em Londres. O artista expõe através de diferentes suportes, fotografia, arte digital, acrílico sobre tela e projecção holográfica. Com o Grupo Analema colectivo, o uso de tecnologia de ponta resulta em experiências imersivas para o seu público. Oliver Gingrich estudou Arte e Tecnologia na Universidade de Artes Aplicadas de Viena, e licenciou-se com um mestrado em Belas Artes da Central Saint Martins. Oliver tem um Doutoramento em Engenharia dos Média Digitais pelo Centro de Entretenimento Digital, na Universidade de Bournemouth. O seu trabalho centra-se actualmente em torno de refracções de luz, arte de ondas cerebrais, e a concentração em experiências inovadoras de som visual com o Grupo Analema.

Alain Renaud iniciou a sua carreira na produção musical e engenharia de som nos EUA depois de se ter licenciado na universidade de lá. Mudou-se para Londres, Reino Unido, em 2001, trabalhando como estratega de conteúdos digitais, trabalhando com editoras discográficas e empresas de distribuição musical. Em 2005, iniciou um doutoramento. (financiado pela AHRC) em interacções em rede e telepresença no Sonic Arts Research Centre (SARC), Queen’s Belfast. Após a conclusão do seu doutoramento, em 2008, Alain mudou-se para a Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, com a tarefa de desenvolver um currículo de tecnologia musical de ponta e uma iniciativa de investigação. Esta iniciativa levou ao financiamento do laboratório EMERGE, que se tornou agora um actor proeminente no desenvolvimento de sinergias entre a arte digital e os principais actores da indústria. Alain voltou à Suíça em 2014, onde co-fundou um think-tank de estratégia digital, o MintLab e um startup em eventos digitais, Artanim Interactive, que ganhou várias aclamações de inovação. É agora o CTO do arranque tecnológico da Future Instruments, com sede na EPFL em Lausanne, contribuindo apaixonadamente para o desenvolvimento de eventos de vanguarda na encruzilhada da tecnologia e das artes. É também responsável pelo desenvolvimento de um estúdio de gravação de última geração em l’Abri, um centro cultural no coração de Genebra, desenvolvendo um programa cultural e iniciativas de formação para jovens talentos. Está ainda envolvido em várias iniciativas internacionais, incluindo a supervisão de estudantes de doutoramento em artes digitais no Reino Unido, bem como membro do Grupo Analema, um colectivo de artistas digitais que exibe e executa instalações interactivas em locais como a Roundhouse em Londres.

Evgenia Emets começou como fotógrafa na cúspide do crescente movimento fotográfico em 2000 em Moscovo. O seu trabalho desdobrou-se gradualmente do retrato directo ao complexo trabalho abstracto e geométrico. Em 2007, mudou-se para Londres e formou-se com o seu mestrado em Belas Artes pelo Central Saint Martin’s College of Art em 2008. Apresentou uma instalação holográfica e sonora imersiva como o seu trabalho de graduação. Em 2010 fundou o colectivo de artes Analema Group, cujo projecto KIMA explora a arte e ciência do som visual. As performances e instalações interactivas específicas do local tiveram lugar ao longo de 2013- 2017 no Reino Unido e na Europa. Evgenia tem vindo a trabalhar na integração da poesia que escreve desde os 14 anos na sua prática artística. Ela cria trabalhos sobre a intersecção da poesia sonora e visual através de livros de artista, caligrafia, performance e objectos. Ela trabalha activamente com linguagens, inspirando-se em possíveis relações ocultas e raízes comuns entre famílias distantes. Des-constrói frequentemente a linguagem explorando o seu significado subjacente através do poder do som. Os seus trabalhos poéticos recentes fizeram parte das performances do Grupo Analema, tais como ‘The Wheel’ na Roundhouse, ‘I Am’ na Baltic Art Form e ‘The Wave’ na l’Abri Fondation.

@ The New Art Fest 2020

Partilhar esta página